Conheça a Wals MadLab Edição de Fevereiro – Barrel Wheat

304
0
Share:

A cerveja do mês de fevereiro do clube Wals Mad Lab é a Barrel Wheat, uma receita de Strong Wheat Ale que ficou pacientemente descansando em barricas de Bourbon por 6 meses.

No fim da maturação recebeu um blend com deliciosa carga lupulada de Imperial IPA.

O resultado é uma receita encorpada , com notas que variam entre o coco queimado e um frutado cítrico.

cerveja do clube wals mad lab

 

Esse mês selecionamos algumas dúvidas que surgiram sobre a cerveja e e o Roberto Leão, da Wals, respondeu pra gente 🙂

Confira abaixo as curiosidades sobre a Mad Lab do mês de fevereiro:

1.Strong Wheat Ale –Queremos entender um pouco mais, esse estilo não está no BJCP ou no B.A (nós só encontramos Strong Golden ale, Strong Dark ale) Pode nos dizer como surgiu essa inspiração?

Em relação ao estilo, podemos dizer que é uma “licença poética”. Não existe um estilo chamado Strong Wheat Ale, mas American Strong Ale tem no BJCP, pode se dizer que é uma das inspirações de estilo, mas não buscamos nos prender às definições dos guias.

2. O “Strong” no estilo se refere ao amargor por causa do blend de 30% da imperial IPA ou por causa de alguma outra característica do trigo?

O termo Strong geralmente define a intensidade do termo seguinte que é o que define a cerveja em si, como Strong Wheat Ale. É uma cerveja cujo o trigo é um ingrediente bastante evidente, de alta fermentação e bem forte. Nesse caso, o forte ou Strong se refere ao teor alcoólico e também ao amargor. É como se fosse um aviso “vai com calma que ela é porreta!” rsrsrs

3.O que fez ela ficar com teor alcoólico tão alto (12%)? Vocês colocaram mais malte? Ou foi por causa do blend com a imperial?

Tanto a cerveja original (os 70% que estavam no barril) quanto a Imperial IPA foram cervejas que levaram uma carga bem alta de malte, o que faz com que o teor alcoólico fique bem alto.

4.O que modifica na cerveja ela descansar em barril de Bourbon? Qual a característica que isso traz?

O envelhecimento de cervejas no barril traz características únicas. São diversas variáveis: tempo de descanso, tipo de madeira, tipo de torra da madeira do barril, se é barril de primeiro uso, se é barril usado, o teor alcoólico da cerveja, levedura, oxigênio e etc.
É uma verdadeira arte e requer um cuidado bastante criterioso para se encontrar um equilíbrio entre essas variáveis.
No caso específico da Barrel Wheat, o fato de serem barris de Bourbon significa que elas descansaram em barris de carvalho americano que continham Bourbon. E essa madeira junto com a bebida que estava antes trazem essas características pra cerveja

5.Como foi desenvolver uma imperial IPA só para essa cerveja?

Queríamos uma cerveja que estivesse a altura da cerveja original, mas que essa nova cerveja tivesse destaque em outras características como o amargor

6.As notas de coco queimado são provenientes do malte ou da fermentação? Se sim, qual malte/levedura?

As notas de coco queimado são provenientes da madeira de carvalho americano, dos barris de Bourbon

7.Qual frutado cítrico que ela tem?

A questão 8 acho que pode resolver essa, né?

8.Pode nos dizer o nome de alguns lúpulos utilizados? (ou origem) se é americano, etc… E qual característica ele traz para cerveja?

Utilizamos lúpulos americanos e australiano, como Amarillo e Galaxy. Trazem notas de maracujá e frutas amarelas

9.Qual é o aftertaste dessa cerveja? (seca? Dulçor residual? Notas cítricas…etc?)

A cerveja tem um dulçor residual marcante, que equilibra com o amargor, o alto teor alcoólico e o sabor único que a madeira acrescenta na cerveja

10. Pode nos indicar algum prato que ela harmoniza? E o porquê ela harmoniza?

Eu indicaria um prato com sabor bem marcante, mais forte, como carnes de caça, pato, pratos picantes ou um pouco mais gordurosos. São pratos que acompanham o “peso” da cerveja

 

E você, quer mandar uma pergunta para Wäls? Escreva aqui para nós!

cerveja do clube wals mad lab

Share:

Leave a reply